Faz Bem ao Coração

medico e boneco

Este post não é sobre alimentação saudável e exercícios, mas sobre relacionamentos em geral.

Hoje em dia, as varas de família e do trabalho estão mais atentas à violência psicológica dentro de casa e no ambiente profissional, mas nem sempre foi assim e ainda existe muita tolerância ao que não deixa pistas pelo corpo, mas que também faz muito mal à saúde física e mental.

Indico os livros da francesa Marie France Hirygoyen, pesquisadora, psiquiatra e psicanalista, que estuda o assédio moral na família e no trabalho desde os anos 1990.

Ela explica que em uma relação afetiva perversa existe uma ação de apropriação, em que o outro se despossui; uma ação de dominação, em que o outro é mantido em estado de dependência e uma ação de impressão, em que o objetivo é imprimir no outro características negativas.

Lua de Fel, de Roman Polanski, é uma dica de filme que mostra a trajetória de uma relação afetiva perversa, como descrito pela pesquisadora francesa.

De acordo com a revista Psychology Today, que estou lendo à conta gotas, existem alguns sinais de que é hora de sair de um relacionamento amoroso. Acho que esses sinais também valem para outros laços afetivos:

  • Você não se reconhece mais: Tudo o que você gostava no seu jeito de ser e que fazia parte da sua singularidade sumiu.
  • Você tem que provar o tempo todo que vale à pena para o outro
  • Você se sente testemunha de um relacionamento em vez de parte deste: Como se o vínculo fosse um certificado que a pessoa carrega, mas não exerce na prática.
  • Você desistiu de ter uma relação saudável com a pessoa que mais importa na sua vida: Você!

Espero que o amor que o Ludo e o Vico recebem em casa e que eles assistem entre mim e o padrasto deles ajude a fortalecer e proteger seus corações!

Love

Nestes tempos em que estamos aprendendo a aceitar as diferenças nos outros, saber aceitar e amar quem somos e nossas singularidades é fundamental. Respeitar os limites de quem convive com a gente também!

A ilustração do médico com o boneco e a criança é do maravilhoso Norman Rockwell. A foto com efeito do aplicativo Prisma é minha e do maridão!

Micos, Tempo e Cultura

MicoGorila e gatinho

MICO

Até o ano passado, o Vico me abraçava e beijava na frente dos colegas quando eu aparecia na escola. Este ano nem pensar. É o que eu chamava de mico, quando era adolescente.

O Ludo morre de vergonha de várias coisas que indiquem que ele ainda precisa dos adultos.

Eu era a princesa dos meus meninos e virei esse Orangotango com o gatinho no colo. Hahaha.

O ser humano, ao contrário da maioria dos animais, leva bastante tempo para se tornar independente. Além disso, assim como outros animais, se preocupa com a aparência e as conquistas pessoais para impressionar potenciais parceiros amorosos. Resultado: Micos e medos que só existem na mente do jovem.

TEMPO

A adolescência é a fase dos micos, que, com o passar dos anos, perdem o sentido e desaparecem das nossas vidas.

Hoje de manhã, na espera do dentista (estou com um canal doloridíssimo) assisti ao Programa da Fátima Bernardes e ouvi um psicólogo dizer que aos 65 anos estamos com a autoestima mais elevada do que jamais estivemos.

Por que isso acontece aos 65 anos? Porque a preocupação com a aparência, o status e outras características para atrair um par diminuem consideravelmente conforme ficamos mais velhos. Essa é uma das vantagens de envelhecer. Ainda faltam alguns anos pra mim, mas já me sinto muito mais livre do que quando eu era mais nova.

CULTURA

Nos primeiros anos da vida dos seres humanos, essas questões do nosso lugar na sociedade quase não existem. Indico o documentários Babies que retrata a vida de 4 pessoinhas fofas, do nascimento até começarem a andar: um na Mongólia, uma no Japão, um na Namíbia e uma nos Estados Unidos. As semelhanças no desenvolvimento das crianças contrastam com as diferenças culturais que as cercam.

Fico imaginando como estarão esses bebês hoje. A adolescência deve ser muito diferente nessas 4 culturas tão distintas.

Será que o Mico é resultado do contexto em que vivemos (ocidental, urbano, consumista, competitivo) ou é mais um componente da natureza humana que se manifesta de formas diferentes pelas diferentes culturas ao redor do planeta?

Os macaquinhos saíram desse livro, que os meninos ganharam há alguns anos.

O que aconteceu na Terra

 

 

Ladrões dentro e fora das telas

ladrão de casaca

(Ladrão de Casaca – Filme de Hitchcock)

Nos filmes hollywoodianos torcemos por ladrões como Frank Abagnale Jr , vivido por Leonardo di Caprio em “Prenda-me se for capaz”,  e achamos que é só o glamour do cinema que faz nos esquecermos que se trata de um ladrão, falsificador de cheques, praticante da medicina sem ser médico etc.

Além do próprio Abagnale Jr, que cumpriu a pena e se tornou um empresário bem sucedido, outros criminosos da vida real  também entram nessa categoria de criativos e alguns até foram “perdoados” pela confusa ética social.

  • Ronald Biggs: assaltou o trem pagador na Inglaterra e fugiu para o Brasil. Seu filho, Mike, fez parte do programa infantil Balão Mágico, na Globo, nos anos 1980.
  • D. B. Cooper: nome usado para se referir a um homem nunca identificado, nem encontrado, desde que, no dia 24 de novembro de 1971, sequestrou um avião da Northwest Airlines, no espaço aéreo norte americano, levou duzentos mil dólares de resgate e pulou de paraquedas.
  • Butch Cassidy e Sundance Kid são personagens que existiram! Butch, nascido em 1866 foi o líder da gangue de ladrões de trem mais bem sucedida dos Estados Unidos e só passou 18 meses na prisão. Sundance, um ano mais velho, juntou-se à gangue em 1896. Não se sabe como nem onde morreram.
  • Você conhece mais algum criminoso famoso criativo e/ou perdoado pela sociedade para incluir na lista???

Butch Cassidy

De acordo com um artigo acadêmico de Scott Wiltermuth, pesquisador de comportamentos antiéticos na Universidade do Sul da California, todos nós tendemos a ser mais tolerantes com tramoias executadas de forma criativa e inteligente do que com os crimes cometidos de formas convencionais, considerando que não tenha havido brutalidade em nenhum dos casos.

O pesquisador explica que uma parte de cada um de nós admira a criatividade e a astúcia na execução de crimes e acaba “perdoando” o criminoso. Wiltermuth recomenda que fiquemos atentos a esse tipo de percepção errada, que só prejudica as relações sociais.

Eu continuo gostando de crimes perfeitos no cinema, mas acho cada vez mais incômodo assistir criminosos (criativos ou não) defendendo a ética e o combate à corrupção na televisão.

19 de junho de 1978

1978

Garfield

Em 1978 (dance, dance, dance) algumas das músicas mais tocadas no rádio no Brasil eram:

  • As Frenéticas: Dancing Days
  • Bee Gees: Staying Alive
  • Dire Straits: Sultains of Swing
  • Donna Summer: Last Dance
  • George Bensom: On Broadway
  • Milton Nascimento: Maria Maria
  • Roberto Carlos: Força estranha
  • Sidney Magal: Sandra Rosa Madalena
  • The Rolling Stones: Miss You
  • Tim Maia: Sossego
  • Village People: YMCA

Super Homem

Alguns filmes que estrearam por aqui em 1978:

  • Superman – O Filme (Meu herói preferido da infância por causa do lindo e inesquecível Christopher Reeve).
  • Contatos Imediatos do Terceiro Grau (François Truffaut atua nesse clássico de Spielberg!).
  • Os Embalos de Sábado à Noite (John Travolta no auge. Adoro até hoje).

 Junho

É o sexto mês do calendário gregoriano. O nome é derivado da deusa romana Juno, mulher de Júpiter e protetora do casamento.

Os nascidos no dia 19 de junho são do signo de gêmeos, adoram se comunicar e são regidos pelo elemento ar. Por isso, talvez, vivam no mundo da lua…

Quem nasceu em 19 de junho de 1978 é Cavalo no horóscopo chinês. São pessoas inovadoras, que odeiam o tédio e uma rotina sem graça. Cavalo é símbolo da felicidade na China!

assoprar as velas

Nos quadrinhos, devia estar acontecendo muita coisa em 19 de junho de 1978, mas a que tem mais significado pra mim é o nascimento do Garfield!

Em comum, além da mesma data de nascimento, somos gulosos, um pouco preguiçosos, temos nojo de ratos e odiamos o despertador às segundas-feiras!

Parabéns pra gente, Garfield!!!

 

 

 

A longa estrada da popularidade

most likable

Hoje cedinho, tomando meu café, abri a revista “Psychology Today” e me deparei com um artigo que criou alguns links na minha cabeça.

  • Black Mirror
  • Banalogias
  • Expectativas e Frustrações

O artigo, resumidamente, explicava o seguinte:

Nosso cérebro é programado para buscar a aceitação do grupo porque nossos ancestrais precisavam pertencer a um grupo para não ficarem sozinhos e mais expostos aos perigos.

Por que devemos buscar “likability” (ser amáveis) em vez de “likes”(popularidade)?

Primeiramente, porque é mais saudável, tanto para o indivíduo quanto para o grupo.

Saber ser amável e agradável para o convívio com os outros começa a ser importante na infância. Tem relação com ajudar as pessoas e criar relações harmônicas.

Status é uma preocupação que nasce na adolescência, quando se procura atenção e destaque no grupo.

  • Black Mirror

Quem ainda não assistiu à série de ficção científica Black Mirror, da Netflix, assista porque tem alguns bons episódios sobre a influência da tecnologia em todas as áreas da vida humana. No primeiro episódio da terceira temporada, Nosedive, a popularidade (medida pela quantidade de likes de 4 ou 5 estrelas em um site de relacionamentos) se torna a moeda necessária para comprar os bens (casa, carro etc) valorizados pela sociedade.

A personagem principal de Nosedive faz de tudo pelos likes e vai se tornando uma caricatura do que é considerado popular, perdendo a própria personalidade e a crítica de si mesma e da sociedade em que vive. O final é o redentor reencontro dela com o que se perdeu na longa estrada da popularidade.

Be a Man!

O que podemos fazer para não deixar a busca por status (ou likes) nos dominar?

Segundo o artigo, algumas partes do cérebro festejam quando temos seguidores e curtidas ou chamamos a atenção em algum ambiente, positivamente. A boa notícia é que as mesmas áreas do cérebro também são ativadas quando ajudamos os outros e nos sentimos conectados a um grupo!

  • Banalogias

No livro Banalogias, de Francisco Bosco (escritor e filósofo, filho do músico João Bosco), um dos textos de que mais gostei se chama “Dialética dos Playboys” e trata exatamente da dificuldade de amadurecer e se reinventar quando se é muito popular na adolescência por razões que não fazem sentido na vida adulta.

Aqui está um trechinho:

“Pois como se reconhece um playboy decadente? Simples: Ele é igualzinho ao que era há dez anos. Tudo mudou à sua volta; ele não. A melancolia dos playboys decaídos decorre desse autoaprisionamento, dessa impossibilidade de reinventar-se. Vestem-se do mesmo jeito, fazem as mesmas coisas, falam a mesma linguagem. Mas aquilo que era liberdade é agora um gritante beco sem saída existencial”.

Quem quiser ler o texto inteiro (vale a pena) pode encontrá-lo clicando em leia um trecho no site da Saraiva.

Segundo o artigo, alguns estudos constataram que os adolescentes muito populares passam as outras fases da vida tentando recuperar a antiga popularidade e, nos primeiros anos da fase adulta, costumam se envolver em comportamentos de risco, além de viverem relacionamentos mais tumultuados.

  • Expectativas e Frustrações

É normal desejar para si mesmo e para os filhos uma vida só de sucessos e aceitação dos pares. Tem momentos e ambientes em que isso acontece naturalmente e outros em que experimentamos mais dificuldades e dissabores. Eu me tranquilizo só de saber que o Ludo e o Vico gostam de ir para a escola, que é o mundo das crianças e dos adolescentes. Eles têm amigos e também, infelizmente, alguns desafetos (já que esse mundo não é perfeito).

O artigo termina com um recado que se aplica ao grupo da maioria das pessoas que eu conheço e no qual também me incluo. Tirando casos de bullying, que podem ser traumáticos e requererem maiores cuidados e acompanhamento, alguns sofrimentos da juventude fortalecem o espírito na vida adulta e nos tornam sensíveis aos outros e atentos aos sinais que trarão mais benefícios à vida a longo prazo.

Homecoming

As ilustrações são do artigo “The long reach of popularity”, Revista Psychology Today, Jun.2017, e do livro “Norman Rockwell 332 Magazine Covers”.

Fui indicada ao Mystery Blogger Award

Olá!

Ontem eu queria ter postado mais cedo, mas não consegui. Já é segunda! Dessa vez quebrei a regra de escrever o post antes do domingo acabar.

Vamos lá…

Este post é sobre o “Mystery Blogger Award”. Mais uma ideia inteligente de conhecermos outros blogs que nossos blogs amigos gostam e divulgar o que estamos lendo no WordPress. É sempre bom saber que alguém gosta do que escrevemos!

Olha que linda a definição do Mystery Blogger Award: “um prêmio para blogueiros incríveis com postagens engenhosas. Seu blog não só cativa; Ele inspira e motiva. Eles são um dos melhores lá fora e eles merecem todo reconhecimento que eles conseguem. Este prêmio também é para blogueiros que acham diversão e inspiração em blogs e fazem isso com tanto amor e paixão.

Vamos às regras:

  • Listar as regras (acompanhe as letras em negrito)
  • Agradecer quem me nomeou e indicar o link para seu blog: Foi o Eduardo Jauch do Blog do Jauch! O blog dele é bem legal, bem humorado, criativo e respeitoso com as opiniões dos outros blogs. Ele é um brasileiro, que mora em Portugal e tem um filhinho que de vez em quando aparece como inspiração ou personagem na narrativa de seus posts.
  • Mencionar o criador do prêmio: Segundo o querido Eduardo Jauch, do blog do Jauch, o senhor Okoto Enigma é o criador do ‘Mystery Blogger Award’.
  • Postar o logo do “Mystery Blogger Award”

logo do mystery blogger award

  • Escrever 3 coisas sobre mim:

Sempre tive preguiça de comprar roupas e sapatos.

Meu bolo preferido é um bolo de milho que parece um pudim no meio, que minha mãe faz muito bem.

Eu adorava dançar quadrilha nas festas juninas quando era criança.

  • Responder às 5 perguntas do blog que me indicou (Blog do Jauch):

Quando, onde e o que sentiste da última vez que olhaste para um céu estrelado?

Eu olho para o céu todos os dias à noite. A lua estava linda anteontem e hoje, mas céu estrelado eu não me lembro quando foi a última vez…

Já abraçaste uma árvore?

Já, quando era criança.

Com quantos paus se faz uma canoa?

Depende do tamanho da canoa e dos paus.

Se um duende irlandês bêbado tentar comer seus cadarços, o que você faz?

Eu dou os cadarços pra ele. Não é todo dia que se conhece um duende irlandês.

Considerando a conjuntura mundial e os eventos mais recentes no Brasil, para que país você já pensou em fugir?

Eu não pensei em fugir, mas gostaria que muita gente que contribuiu e contribui para a atual conjuntura do país trocasse de lugar com quem sofre as consequências da pobreza e da violência.

  • Nomear até 10 pessoas

Os blogs que eu indico aqui não são os mesmos que já indiquei no Versatile Blogger Award, embora eu continue adorando aqueles blogs. Para mostrar outros blogs que eu estou gostando muito de ler, esses são os indicados:

  1. A Ju, do Blog da Patinatrix
  2. O Marcelo, do Patriamarga
  3. O Alan, do blog Anatomia da Palavra
  4. O Essandro, do blog Codinome Summer
  5. O Fernando, do blog ChronosFeR
  6. A Fernanda do blog Mulheres & Mentes
  7. O blog Filmose
  8. O Lucas do blog do Palhão
  9. A Anna do blog Caos no Quarto
  10. A Talita do blog Talitatl: Nobody puts baby in a corner
  • Tenho que notificar os indicados comentando no meu blog e também no deles, eu acho, porque pode ser que não vejam esse post, né?
  • Formular cinco questões para os meus candidatos:
  1. Qual é a sua sobremesa favorita?
  2. Qual é o seu cheiro favorito?
  3. Descreva a pior roubada para a qual teve que ir para agradar alguém?
  4. Por quanto tempo consegue guardar um segredo?
  5. Para quem ou o quê você pede ajuda quando se desespera?
  • Queridos candidatos, peço que, depois de responderem minhas perguntas, vocês também criem cinco questões estranhas ou engraçadas para os seus candidatos.
  • Para terminar, tenho que compartilhar um link para minhas melhores postagens. Não sei dizer qual seria… Para quem quiser conhecer os outros blogs que eu adoro e que não estão aqui, sugiro conferir o post do Versatile Blogger Awards!

Bom início de semana! Feliz dia dos Namorados!

Como e por que jogar RPG

Primeiramente, o que é RPG?

RPG, além de ser a sigla de Reeducação Postural Global, é também a sigla de um jogo: Role Playing Game. No jogo RPG os jogadores se transformam em personagens de suas próprias aventuras!

O Ludo e alguns amigos da escola (que têm de 13 a 15 anos) resolveram aprender a jogar RPG.

Quando eu era adolescente, uns garotos da minha sala também jogavam e eu não fazia ideia do que se tratava. Isso foi nos remotos anos 1990…

O RPG também apareceu, recentemente, na série do Netflix “Stranger Things“, ambientada nos anos 1980, numa cidade nos Estados Unidos. Na série, os personagens principais (crianças) se reuniam para jogar RPG e o jogo acabou ganhando vida fora do tabuleiro, causando situações impossíveis de serem explicadas no mundo “real”.

dragões

Por que jogar RPG?

Encontrei pelo menos duas boas razões para incentivar o Ludo (e também o Vico e outras crianças, adolescentes e adultos com alma lúdica) a jogar RPG:

  1. É um jogo que exercita a criatividade
  2. É um jogo de colaboração, em vez de competição

Como jogar RPG?

A melhor e mais completa explicação, inclusive com manual em português para baixar em pdf, eu encontrei aqui mesmo no WordPress num blog excelente para quem tiver interesse em jogar: “Epic Kingdom RPG.”

Resumidamente:

No começo do RPG, um jogador toma o papel de Mestre, condutor da história do jogo e árbitro. Os jogadores decidem o que eles querem que seus personagens façam. O Mestre determina os resultados das ações dos outros jogadores e narra o que aconteceu com eles, podendo improvisar reações para suas tentativas, o que torna o jogo sempre inesperado e infinitamente flexível.

Não existe um final real para o RPG. Quando uma história ou uma missão acaba, outra pode começar, criando um arco contínuo chamado campanha, que pode render meses ou anos de encontros entre amigos para retomar a história do ponto onde pararam.

Ninguém é vencedor ou perdedor!

Segundo o manual do jogo Dungeons and Dragons (um tipo de RPG):

“Algumas vezes um aventureiro pode ter um fim sinistro, partido em pedaços por monstros ferozes ou finalizado por vilões nefastos. Mesmo assim, outros aventureiros podem procurar por magias poderosas que são capazes de reviver seus companheiros caídos, ou o jogador pode escolher criar um novo personagem para continuar jogando. O grupo pode não conseguir completar uma aventura, mas se todos tiveram um bom tempo juntos e criaram uma história memorável, então todos ganharam.”

batalhas

Espero que tenham gostado!!!

Boas Aventuras!!!