Língua Cabeluda

palavrinhas e palavroes

Palavras, palavrinhas e palavrões, de Ana Maria Machado, era um dos meus livros preferidos quando eu tinha uns 7 ou 8 anos.

O livro conta, de forma bem humorada, as descobertas de uma menina que adorava palavras novas, mas estava sendo severamente repreendida por repetir algumas.

Na lógica da personagem principal palavrão era qualquer palavra comprida e difícil de pronunciar como Impublicável, Providências, Fonoaudióloga… A menina estranhava quando as pessoas reclamavam de palavras pequenas e simples que ela repetia. Diziam que estava sujando a boca com palavrões cabeludos.

“Que tipo de palavrões seriam esses? Cabeludos? Louros? Cacheados? Ela nem conseguia repetir direito, quanto mais imaginar a cara deles…”

Aqui em casa não deixo os meninos falarem palavrões e peço desculpa se deixo algum escapar sob intensas emoções! Meu marido também tem a boca limpinha.rsrs

Acho que o respeito começa a desandar quando liberamos a porteira dessas palavras tabu. Por outro lado, são apenas palavras que se referem a conceitos de sexualidade e excreção. Por que, então, elas teriam ganhado o poder de afrontar a sensibilidade humana?

Do que é feito o pensamento

No livro Do que é feito o pensamento – A língua como janela para a natureza humana – o cientista cognitivo Steven Pinker explica:

“Se as palavras tabus são uma afronta à sensibilidade das pessoas, o fenômeno das palavras tabus é uma afronta ao bom senso. A excreção é uma atividade que todo ser encarnado tem que fazer todo dia, e mesmo assim todas as palavras em inglês para ela são indecentes, infantis ou clínicas”.

Em português, também, as pessoas são educadas para dizer que “vão ao banheiro” ou “ao Toilette”, como se evacuar em francês fosse mais elegante. rsrs

Segundo Steven Pinker, a língua inglesa também não oferece opções polidas para outra atividade da qual ninguém pode fugir: Sexo.

“Os verbos transitivos simples para as relações sexuais ou são obscenos ou desrespeitosos, e os mais comuns estão entre as sete palavras que não dá pra dizer na televisão”.

“A reação de escândalo que outros usos evocam, mesmo entre pessoas que defendem a liberdade de expressão e questionam por que tanta onda em torno das palavras sobre sexo, sugere que a psicologia da magia das palavras não é só uma patologia de puritanos dados à censura, mas algo que faz parte da nossa constituição emocional e linguística”.

Nem entrei no mérito dos preconceitos de raça, religião e opção sexual que atribuem a certas palavras a conotação de violência verbal e moral e que dizem muito do contexto sociocultural em que são verbalizadas.

Como espero ter demonstrado, desde criancinha acho o tema do poder das palavras nas nossas vidas fascinante.

Recomendo os dois livros citados para quem compartilha esse interesse pelas origens e usos das palavras que moldam e são moldadas pela mente humana e seus reflexos nas nossas relações com o mundo.

Bom Final de Semana a todos!

Anúncios

16 comentários sobre “Língua Cabeluda

  1. Que fixe! ^^ Eu também sou louco pelas palavras desde pequeno. Eu olhava para uma mesa e pensava: Porque raios é que isso se chama “mesa”. Isso não tem cara de mesa! Mesa. Não significa nada. Eu digo mesa e ela não me diz nada! Porque é que a mesa é mesa e não cadeira!
    lol
    Fora isso, eu sou uma pessoa que raramente restringe o falar. Eu xingo e sou extremamente asneirento. Cada tomada é um “filho da p… lazarent…” (olha eu me restringindo aqui). E o “filho da…” não é algo que eu associe a elas… Curioso não? Pelo contrário, admiro-as pela coragem e resiliência às adversidades da vida…
    Enfim… Tanta coisa a falar sobre isso.
    Gostei das dicas. Os livros parecem muito interessantes. TEnho de compilar a minha lista de indicações a ler! 😀
    Beijinhos e bom fim de semana.

    Curtido por 1 pessoa

      1. Sim, deve ser. Rsrs
        Eu dava aulas numa escola pública em Recife, e veio uma psicóloga fazer uma atividade com os alunos do 7 ano. Por acaso, ela é minha prima e a turma era temporariamente minha.
        Então, ela armou no chão um enorme papel. Os jovens sentados no chão ao redor do papel. Então, divertidamente, ela desafiou-os a escreverem e desenharem o q costumam o mesmo fazer nas portas dos wc s da escola. Kkkk Foi um risinho coletivo. Infelizmente, eu tinha aula noutra turma e não deu tempo de ver o primeiro voluntário. Só vi o resultado final.

        Curtido por 1 pessoa

  2. A protagonista de “Palavras, palavrinhas e palavrões” tem razão no raciocino: palavrão = palavra comprida, hahaha.
    Quanto aos palavrões, eu não vejo problema. É uma forma de expressão (seja para falar mal, manifestar descontentamento e até elogiar). Mas engraçado que eu uso bem pouquinho (>_<).

    Curtido por 1 pessoa

  3. O segundo livro eu confesso que fiquei interessado. Quanto ao primeiro, eu quero te agradecer por me fazer recordar do meu primeiro livro: Flicts, do Ziraldo. Um livro sobre diversidade e aceitação, por mais incrível que possa parecer esse assunto estar na moda do final dos anos 1980. Que belas lembranças eu tive … obrigado.
    Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s