Distrações Particulares

24 horas na vida de uma mulher

Quando eu era adolescente (idade em que mais se depende dos grupos, amizades e namoros para o amor próprio florescer) meu pai me disse que eu precisava encontrar satisfação em atividades que não dependessem de companhia.

Criança se diverte dando nome e enredo a um cotonete, mas, durante os anos da juventude, basta um dia sem alguém da mesma idade com quem se possa trocar ideias, afeto etc. pra começar a murchar ou espetar os mais velhos.

Sinto que jovens (e crianças) de agora não vivenciam tanto a solidão e o tédio, importantes para o autoconhecimento, pela possibilidade de acesso à internet 24 horas por dia.

feltro

Não proíbo, nem fico condenando o uso da rede pelos meus filhos, mas achei interessante essa notícia sobre a “medida de desintoxicação” que a França adotou para banir celulares nas escolas públicas, O objetivo aqui foi diminuir as distrações, com ressalvas para algumas atividades pedagógicas ou necessidades especiais de alunos.

Distrações são momentos de lazer, que podem ser preenchidos com ou sem companhia.

Meu marido usa pouco a internet e afirma que a melhor distração pra ele é estar comigo. Coisa linda, né?:D

Acho que uma companhia agradável, além das trocas de afeto e experiências, é a que sabe viver construindo pequenas alegrias, que não dependem necessariamente de alguém ou de aprovação, que não seja a própria.

Faço esse exercício escrevendo posts para o Ludo e Vico, trabalhando com feltro, desenhando e colorindo, lendo livros, revistas e posts, fazendo pastinhas no Pinterest, olhando a natureza…

 

bichanos

Essas curtas férias me inspiraram a escrever sobre as distrações que ampliam nossos universos particulares.

Quais são suas distrações particulares?

*A primeira imagem faz parte das ilustrações de Federico Maggioni para o livro 24 horas na vida de uma mulher, de Stefan Zweig, que eu li nas férias;)

 

Anúncios

14 comentários sobre “Distrações Particulares

  1. A internet acaba se tornando uma válvula de escape para muitos jovens. Vejo meu sobrinho adolescente se comunicar com um grupo de amigos enorme, mas a comunicação é extremamente superficial. Lembrei que quando jovem minhas interações eram muito mais intensas. Fico pensando como será a adolescência das minhas filhas, e tento não bombardea-las com internet por agora.
    Abraço
    P.s. fiquei de te falar sobre o artesanato de meu pai. Ele esta todo domingo na Praça da águia em Petrópolis com seus jogos de madeira.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Acho q será impossível desconectar os jovens. Estamos cercados de aplicativos para todos os lados, da recolha do lixo à escola, somos incentivados a usar os aplicativos.
    Só nos resta limitar um pouco fazendo diferente. O q exige muita criatividade p criar distrações diferentes.

    Curtir

  3. A internet é uma ferramenta muito útil… Basta saber usar (e no caso das crianças e dos adolescentes os pais orientarem da melhor forma *mas entendo que é uma tarefa difícil*). Também acho que todos nós precisamos de alguma atividade solitária para melhor nos conhecermos e como você bem disse “viver construindo pequenas alegrias, que não dependem necessariamente de alguém ou de aprovação, que não seja a própria”. Ótimo texto! (^_^) Beijos, Mariana!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s