Lobo do Homem

 

Prólogo da Ilha dos Cachorros

Dez séculos atrás, antes da Era da Obediência, cães livres governavam suas liberdades marcando seus territórios.

Buscando a ampliação de seus domínios, a Dinastia Kobayashi, amante de gatos, declarou guerra e atacou com fúria os incautos animais de quatro patas.

Na véspera da aniquilação total dos cachorros, um menino guerreiro que simpatizava com a condição dos cães sitiados, traiu sua espécie. Decapitou a cabeça do líder do clã Kobayashi e empunhou sua espada berrando o seguinte grito de guerra haiku: Eu viro as costas – para os humanos! 

Ele seria, futuramente, conhecido como o lendário menino Samurai. Descanse em paz.

No final das sangrentas guerras de cães, os vira-latas vencidos tornaram-se animais de estimação sem poder:

Domesticados

 Dominados

 Desprezados

Mas eles sobreviveram e se multiplicaram.

Os Kobayashis, no entanto, nunca perdoaram seu inimigo conquistado.

Sina Canina

Por que chamar mulher de cachorra ou chamar homem de cachorro é considerado ofensivo se os cães são os melhores amigos dos humanos?

Dia de cão é uma expressão que designa um dia a ser esquecido.

Mundo cão e Vida de cão trazem a mente imagens de sofrimento e injustiça.

Fazer uma Cachorrada é agir de forma desonesta.

Quando teria sido o momento em que os cachorros viraram sinônimo de tanta coisa ruim na vida dos seus mestres humanos?

Excepcionalismo Humano x Abolicionismo Animal 

Wesley Smith (WS)Pesquisador do Discovery Institute e autor de “A Rat is a Pig is a Dog is a Boy: The Human Cost of the Animal Rights Movement” defende o excepcionalismo humano e afirma que o movimento pelos direitos animais é antiético por atribuir o mesmo valor moral aos humanos e animais baseado na senciência, mas acha que devemos melhorar o tratamento humanitário dos animais e métodos de criação.

Gary Francione (GF)Desenvolvedor da teoria abolicionista de direitos animais e autor de “Introduction to Animal Rights: Your Child or the Dog?” defende o direito do animal de não ser propriedade e argumenta que todo uso de animais é moralmente injustificável e que devemos abolir, e não regulamentar, a exploração animal.

WS:Ativismo de direitos animais… não é apenas sobre o sofrimento; é sobre não ter o direito de possuir um animal, e os animais não tendo o direito de serem possuídos. Gary acredita que nós nem sequer deveríamos ter cães, não importa o quão bem nós os tratamos, porque, como ele chama-os, são refugiados em um mundo no qual eles não pertencem. Portanto, não é apenas sobre o sofrimento; é uma visão de direitos na qual a ideia de possuir animais é vista como equivalente à escravidão.

GF: Eu sou contra qualquer uso de animais em absoluto. O cão-guia está no topo da minha lista, Michael? Não, absolutamente não. Deixe-me apenas esclarecer uma coisa. Minha posição é muito simples: todos nós concordamos que é errado causar sofrimento e morte desnecessários aos animais, e que os motivos de diversão, prazer ou conveniência não constituem necessidade. Mas 99.999999% de nossos usos de animais só podem ser justificados por motivos de diversão, prazer ou conveniência.

*Todas as imagens desse post foram tiradas de cenas do filme A ilha dos Cachorros, de Wes Anderson, que assistimos no Feriado de Páscoa, por indicação do Ludo

Boa Semana!

Anúncios

14 comentários sobre “Lobo do Homem

  1. Realmente, não sei explicar a sina canina. Tenho mais uma, aliás uma pessoa na rede social teve outra interpretação, e eu expliquei que a expressão não tinha o significado que ela estava a dar. Olha, ela “largou os cachorros em mim”. 🤣 Voltei e provei com trechos de literatura, não voltou nem para apagar o comentário errado dela.

    Bem, mas a expressão foi “um cão chupando manga”. A senhora achava q significava algo como um “monstro”. Eu expliquei q era alguém excelente naquilo q faz. Ex: fulano é um cão chupando manga em mecânica automotiva. Ou seja, um bom elogio, pq se observar um cão a chupar manga é um verdadeiro desafio p ele, mas que consegue.

    Bem, indico para vocês o filme húngaro (se já não tiverem visto). Vai aqui o trailer:

    😘

    Curtido por 2 pessoas

      1. Fui buscar na net…

        Seu Euclides, embora fosse crânio dos crânios – até porque era sociólogo, escritor, jornalista, engenheiro e professor -, na verdade quis fazer foi uma mediazinha com o sertanejo, talvez querendo se desculpar por ter ficado do lado mais forte daquela guerra estúpida.

        Então, seu doutor, antes de tudo, o sertanejo é o cão de calçolão, é o istopô do Judas, é um fio do cabrunco da moléstia, é o raio da silibrina da gota serena.

        E aí, caro leitor, complicou? Não entendeu?

        O seguinte é este: aos olhos e ouvidos de quem não conhece as falas, os modos e costumes nordestinos, tais expressões podem soar como os piores desmerecimentos, desqualificações e xingamentos, quando, na verdade, são os mais puros, sinceros e naturais elogios dados e recebidos em nossas plagas nordestinas.

        Simplifiquemos num só exemplo, numa só expressão: “O cão chupando manga”. Essa frase, no seu sentido original, expressa um baita elogio. É como se dissesse “Fulano é o diabo fazendo isso”.

        – Ariano Suassuna é um escritor maravilhoso, não é?

        – Afff Maria, é o cão chupando manga!

        Só peguei um trecho. Completo neste site e há outros. Site:https://www.google.com/amp/s/brasiliamaranhao.wordpress.com/2010/05/15/o-nordestino-e-o-cao-chupando-manga/amp/

        Curtir

      2. Muito bom, Miau!😁Dizer que é o diabo ou o cão chupando manga são elogios no universo do Ariano Suassuna💛Quando assisti pela primeira vez ao Filme O Auto da Compadecida levei um tempinho pra me acostumar com as expressões e adorei! É dos meus filmes preferidos. Lembrei de uma colega da faculdade de Direito, que, em 1995, tinha vindo de Recife pro Rio há pouco tempo e dizia “fulano está se sentindo a bala”. Era a bala que matou Kennedy! 😁Obrigada por enriquecer meus conhecimentos sobre nossa incrível língua portuguesa😊🌷😘

        Curtido por 1 pessoa

  2. Um filme que está na minha lista faz algum tempo (mas praticamente não tenho visto filmes nos últimos meses).

    E logo que comecei a ler o teu texto, após o seu questionamento sobre desde quando… Veio à minha mente que a expressão “melhor amigo do homem” é utilizada corretamente, mas que não é recíproca. Claro, há exceções.

    Entretanto, parece-me, a vida é muito mais complexa do que a maioria de nós quer aceitar. É muito fácil, seja de que lado se está de uma barreira dicotômica, em que o lado geralmente não importa, porque o certo é sempre o meu lado e o errado é sempre o o outro, ignorar completamente os argumentos em prol de uma “verdade absoluta”. Não importa o outro, importa que o que eu digo está certo e ponto final.

    E portanto, em vários níveis diferentes, estamos todos errados. Não é mesmo?

    Particularmente, sou contra causar sofrimento desnecessário, ao mesmo tempo em que sou adepto de que a realidade não dá a mínima para a nossa ética e a única verdade universal é a morte, e que a morte daquilo que está vivo é o que mantém a vida.

    Um texto para alimentar a reflexão.

    Curtido por 2 pessoas

    1. Oi Jauch! Essa reflexão que você fez é sincera e bem real. Somos todos consumidores de outros e outros nos consumirão. Acho triste que não conhecemos ou ignoramos o afeto e outras semelhanças conosco que as demais espécies têm. Isso sempre me pareceu estranho, desde que fui escolher meu cachorrinho e ele foi separado da mãe e dos irmãos quando eu era pequena. O fato dele gostar de mim ou de qualquer outra pessoa que o escolhesse parece mais com síndrome de Estocolmo do que com amizade! Pronto. Agora você vai achar que pirei de vez😁, mas ainda somos livres pra refletir e temos esse espaço pra conversar😊Obrigada por alimentar o post! 🍀Bjinhos

      Curtido por 1 pessoa

      1. Há! Adorei essa comparação com síndrome de Estocolmo. Acho que refletir é preciso. A questão é que temos que embasar as nossas próprias reflexões no conhecimento acumulado ao longo dos milénios. E temos refletido pouco e quando refletimos, ficamos apenas no campo das experiências pessoais e dos achismos. Nós temos uma tendência a antropormofizar os animais, e isso também é um problema. Um cão não é um homem, da mesma maneira que não é uma vaca, uma tartaruga, um peixe ou uma formiga. Ainda assim, animais semelhantes, como são todos os mamíferos, acabam por desenvolver estratégias de sobrevivência semelhantes, e têm aspectos semelhantes que podem sim ser suficientes para definir que são espécies suficiente evoluídas ou detentoras de características que as tornem detentoras de direitos mais abrangentes do que simplesmente não serem maltratados. Mas a maioria das pessoas não está preparada para o debate.

        Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s