Papeizinhos amarelados

Que adolescente tem segredinhos não é novidade.

Hoje eu estava conversando com meu marido sobre diários. Eu já até escrevi sobre o tema aqui e como era incomum, pelo menos há uns vinte e tantos anos, meninos escreverem diários.

Ele me perguntou qual era a real intenção das meninas ao escreverem um diário porque se era pra ser segredo não deveriam escrever.

Aí é que entram meus papeizinhos.

Sabe a música “Paranoia” do Raul Seixas?

Caso não saiba ou não se lembre, tem uma parte que é assim:

“Se eu vejo um papel qualquer no chão
Tremo, corro e apanho pra esconder
Com medo de ter sido uma anotação que eu fiz
Que não se possa ler
E eu gosto de escrever, mas…
Mas eu sinto medo!
Eu sinto medo!”

Eu ainda acho sensacional a letra dessa música.

Fazia todo o sentido querer colocar para fora do corpo as ideias e emoções para que elas fossem materializadas e organizadas numa folha de papel. O que não queria dizer que devessem ser compartilhadas. Os diários com cadeado que as meninas dos anos 1980 faziam tinham esse propósito. Se não tinham, eu estava enganada até agora.

Antes e depois de ter um diário, minhas observações, desejos e projetos eram anotados em papéis avulsos e me apavorava a ideia de que alguém pudesse encontrá-los. Eu não era organizada e nem conseguia manter um caderno do início ao fim para as matérias da escola. Ainda tenho alguma dificuldade com cadernos. O diário teve o mesmo destino. Era mais um enfeite mesmo. Continuei com os papeizinhos.

Hoje eu não tenho ideias pra esconder, nem me preocupo com as descobertas que alguém possa fazer a meu respeito.

A emoção de ter um pouquinho de loucura escondida num papel virou nostalgia…

Boa Semana!

Beijos

16 comentários sobre “Papeizinhos amarelados

  1. Eu fui uma das pessoas que partilhou as suas emoções de adolescência com um diário de cadeado…
    Quando saí de casa aos 17 anos, o diário ficou em casa dos meus pais. Alguns anos depois voltei a encontrá-lo, reli, ri-me do que lá tinha escrito…e com ternura, desmanchei-o e rasguei aquilo tudo. Funcionou como “limpeza” de um tempo de intranquilidades e palermices!
    Não era realmente importante guardar.
    O diário de cadeado foi-se, voou…como voou a adolescência, no seu sentido mais lato!
    Mas dessa época guardei muitos “papelinhos” que ia escrevendo sobre isto e aquilo…

    Curtido por 2 pessoas

    1. Oi Dulce! Que lindo seu relato🌺Lembrei da música “O Caderno”(Vinícius de Moraes e Toquinho). Na música, o caderno pede pra não ser esquecido num canto qualquer, mas aqui ficaram as memórias do seu diário, com ternura desmanchado. Obrigada por compartilhar.🥰😘

      Curtido por 1 pessoa

  2. Sou do time dos cadernos! Rs
    Tenho vários guardados até hoje. Aliás, continuo escrevendo: sonhos e análises, ideias, reflexões, trechos muito importantes de livros. Uso os cadernos para estudar, trabalhar, me compreender, como um arquivo pessoal. Tenho sempre um ao lado 🙂

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s