Beijo em Preto e Branco

beijo em preto e branco

Esse post é uma brincadeira em resposta a um desafio de fotografias em preto e branco que me foi feito pelo lindo e incrível blog Ultimate Travel 8.

Como não encontrei uma foto P&B que combinasse com o blog, transformei este flagra do beijo, que meu marido e eu demos na apresentação da escola dos meninos há alguns anos, com a ajuda do bom e “velho” aplicativo Prisma.

Complementando a foto, para celebrar o beijo, escrevi uma poesia usando versos de músicas conhecidas.

Desafio meu amigo das voltas ao redor do mundo – Ultimate Travel 8 – e todos que quiserem brincar com a gente a saber quais são as músicas e seus compositores!

 

Feche os olhos e eu te beijarei

Uma canção pelo ar

E a alma se cobria de um luxo radioso de sensações

Está certo dizer que estrelas estão no olhar

de alguém que o amor te elegeu pra amar

 

A paz invadiu o meu coração

Não desejamos mal a quase ninguém

Pode dizer a todos que essa é a sua canção

Se isso for algum defeito por mim tudo bem

 

Dicas dos compositores (não estão na ordem em que aparecem seus versos):

  • Elton John
  • The Beatles
  • Caetano Veloso
  • Marisa Monte e Carlinhos Brown
  • Lulu Santos
  • Gilberto Gil
  • Lulu Santos (de novo)
  • Tom Jobim e Vinícius de Moraes

*Dica quente! Tem um trecho tirado do livro “O primo Basílio” – de Eça de Queirós –  que é recitado em uma das músicas por Arnaldo Antunes.

 

Anúncios

Adolescência 1951

Before the date

Tem sido difícil parar diante do computador para escrever um post esses dias.

Continuo acompanhando os blogs que eu adoro, diariamente pelo celular, mas não consigo postar no telefone.

O título de hoje tem relação com um livro que andei lendo sobre a adolescência – “A crise da adolescência”- escrito em 1951 pelo professor Alceu Amoroso Lima; pelo padre Álvaro Negromonte; pelo médico Américo Piquet Carneiro; pelo monsenhor Helder Câmara e pelo médico Joubert Torres Barbosa.

Tirando alguns preconceitos e costumes, superados pelo tempo, os textos são claros, profundos e ajudam a entender meus adolescentes, Ludo e Vico.

Seguem alguns trechos que considerei mais interessantes, inclusive por serem atemporais!

São características da adolescência, entre outras:

  • Plasticidade: “Sem dúvida a infância é ainda mais plástica do que a adolescência, mas a infância é mais efêmera, é uma idade que passa. A adolescência é uma idade que fica. A infância só fica, por exceção nos poetas ou naquilo que em nós é poesia”.
  • Suficiência: “Não há idade mais dogmática. Quando temos 15 anos, falamos com tal suficiência da vida, que mais parece termos vivido um século… O adolescente afirma pelo amor de afirmar… nada mais difícil do que vencer um dogmatismo baseado no sentimento e não na razão”.
  • Puberdade: “Não há idade mais idealista no amor platônico, como não há idade mais materialista no amor físico”.
  • Idealismo:”A adolescência é a idade em que há maior apetite de ideal… é a idade do desprendimento ou do cinismo, é a idade em que se morre de modo mais fácil, é a idade dos heroísmos”.

cupido

Como lidar com os filhos adolescentes?

  • “Devemos fazer deles, o mais cedo possível, um ser humano de natureza livre, independente, responsável, autônomo, e não uma natureza imitada, uma natureza que é apenas a repetição do que julgamos ser o ideal, e que, às vezes, não o é”. 
  • “Por isso mesmo, é um dever, é uma necessidade, o saber distinguir, no problema da educação, o que é a liberdade justa, isto é, a afirmação da personalidade, o respeito àquilo que cada criatura tem em si, do que é libertinagem, a licenciosidade, o desregramento, ou seja a negação da liberdade por hipertrofia”.
  • “… a primeira condição dos pais é procurar conhecer os filhos… pois aquilo que serve para um, não serve para outro. Não há regra para isso”.

cheerleaders

Como lidar com sua própria adolescência?

  • “É assim a adolescência, muitas vezes um drama. Quem não o sentiu, conservará no curso da vida o mesmo aspecto pueril… Quem não o resolveu, conservará sempre a angústia secreta de um conflito em latência”.

Espero que este tenha sido um passeio agradável pelo tema adolescência para quem já passou pelas crises e para que as presencia de perto.

*As imagens são do artista Norman Rockwell modificadas pelo aplicativo Prisma.

Bom domingo!

 

 

 

 

 

Pegadas na Areia

pés na areia

As religiões podem trazer conforto, esperança, segurança em uma ordem universal, mas também são e foram usadas para oprimir, alienar, perseguir e matar.

Percebo que, mesmo quando não seguimos cultos e até enxergamos mais erros do que virtudes na devoção, geralmente, em momentos difíceis e nas vitórias costumamos nos conectar com uma Força Maior.

Acredito que o coração aberto para perceber a força da fé (em diferentes crenças) e da gratidão por estarmos aqui fortalecem a alma para viver o dia a dia.

Hoje, minha mãe, que é católica praticante, veio nos visitar, trouxe um livro da Igreja Adventista ( que é cristã protestante) e me apresentou um poema da presença de Deus em nossas vidas.

Eu não conhecia e me emocionei, razão pela qual o compartilho aqui no blog.

pegadas na areia

Boa noite de sábado e bom domingo!

Mudança

O post desta segunda-feira, que eu não tive como escrever ontem (no dia “certo”) é sobre a mudança e alguns dos seus vários sentidos ao longo da vida.

Estamos, aqui em casa, vivendo processos de mudança, que geraram reflexões e resultaram nessa poesia, oferecida agora, com votos de uma ótima semana a todos!

Vivemos de mudança

De mais um endereço e nova vizinhança

Do efeito do tempo sobre a pele da criança

Da expectativa que se fez lembrança

Das mãos que entregam e recebem a herança

De quem comanda até a próxima liderança

Da proteção do colo ao vidro fechado por segurança

Da desilusão convertida em vingança

Do aprendizado que ensina a temperança

Dos medidores da comparança

Do que ora nos une e ora nos afasta por sua diferença ou semelhança

casas

Parabéns Mãe!

O post deste 19 de outubro é pra minha mãe, que recebia cartinhas nesta data tempos atrás, quando eu nem imaginava que também nos comunicaríamos pela internet ou que um dia eu lhe dedicaria uma poesia por meio de um blog em que revelo minhas ideias, sonhos, cotidiano e meus amores.

quadro mãe

Quando eu era criança queria ser da sua idade

Sonhava em ter o cabelo liso e negro como o dela

Cheirava o perfume pra matar a saudade

Ansiava pelo fim da tarde na janela

 

Depois do jantar, mesmo cansada,

Iluminava minha noite com dengos e carinho

Entrava comigo na casinha de bonecas

Cantava “Terezinha de Jesus” bem baixinho

 

Assistente social, incansável, por formação

Médica, psicóloga e cientista da casa

Artista plástica com talento e vocação

Minha musa, amiga, parceira e mãe amada

Parabéns pelo dia de hoje!

Celebremos o passado e os dias felizes que virão

Mamãe e Eu

As imagens deste post foram tiradas da minha sala: são de um quadro da minha mãe (premiado em um concurso no Jardim Botânico) e de uma foto nossa no Pão de Açúcar!

Mais Zen

floresta da janela

Meu pai adora me presentear com revistas que tenham assuntos que ele sabe que eu gosto. Semana passada ganhei um exemplar da “The Power of Mindfulness“, cheia de artigos interessantes e agradáveis de ler.

Fiz um apanhado de algumas estratégias para uma vida mais Zen, adicionei o tempero daqui de casa, ideias que praticamos e compartilho a seguir:

  • “Segure a porta para alguém” – Quando você estiver triste (ou não) tente oferecer pequenas gentilezas para as pessoas. Esses gestos de bondade reduzem o stress e melhoram o estado de espírito de quem pratica.

Aqui em casa cada um lava, seca e guarda a sua louça, mas quando decide fazer algo a mais para agradar (sem esperar recompensa) percebo que o “benfeitor” se sente melhor do que estava antes do gesto.

  • Agradeça quem praticou a gentileza – A resposta para a ação acima também é importante. Ao demonstrar gratidão pelo gesto, que pode ser nomeado (obrigado por ter secado os pratos…), valorizamos a relação que temos uns com os outros. Quanto mais valorizamos as pessoas dentro e fora de casa mais felizes e satisfeitas elas se sentem.

Parece óbvio, mas nem sempre se olha nos olhos de quem nos faz um favor ou presta um serviço ou se retribui o gesto com um sorriso junto com um agradecimento. Faz diferença!

  • Espalhe aromas de lavanda e laranja onde achar por bem para reduzir ansiedade e melhorar o humor. Segundo a revista, essa dica funciona até para a sala de espera do dentista! Essa ideia ainda não testamos…
  • Organize uma gaveta – Não precisa ser o dia todo de arrumação. Basta um pedacinho de bagunça resolvido para aumentar a satisfação consigo mesmo.
  • Masque chiclete – Confiram esse post escrito ontem pela querida Cristileine Leão. Ela acertou em cheio. O artigo da revista afirma que esse hábito diminui os níveis de ansiedade e aumenta o foco nas atividades.
  • Cante – Mesmo que não tenha afinação, sua cantoria aumenta a imunidade do corpo e reduz a ansiedade. “Quem canta os males espanta”.
  • Esfregue e massageie  o pescoço, as costas, os ombros e os pés. Se tiver alguém que faça esse carinho em você melhor ainda. Além do relaxamento, o humor e até a qualidade do sono são beneficiados.
  • Tenha alguma conexão com a natureza, diariamente, se possível.

Olhar para uma paisagem verde da janela produz bem estar. Eu sinto isso e agradeço diariamente.

Se puder, tenha uma planta fácil de manter e que seja adequada para sua casa ou apartamento.

Espero que algumas dessas sugestões (ou todas!) caibam no seu cotidiano e tragam bem estar e uma vida mais Zen.

Feliz Dia dos Professores, que merecem mais reconhecimento do governo e da sociedade e paz de espírito para realizarem seu trabalho da melhor forma possível!

Cristo Nublado

Infância Ideal

crianças jogando bola

Estudei na faculdade de pedagogia que a infância é uma fase da vida inventada na Idade Média, a partir do conceito de vergonha, segundo o historiador Ariés.

Antes da invenção da infância, não havia privacidade nas casas medievais e as crianças, junto com os adultos, compartilhavam todos os momentos, inclusive os que seriam considerados impróprios, atualmente.

O conceito moderno de infância se desenvolveu na Europa nos séculos XVII e XVIII.

De volta ao presente, hoje as crianças são senhores de seus mundos de games, redes sociais, pesquisas, vídeos, músicas, livros digitais, às vezes livros impressos, bonecos e brinquedos que se tornam moda e desaparecem em meses. São protegidos por lei de abusos físicos e morais, inclusive os praticados pelos seus cuidadores.

Na minha infância, as crianças brincavam mais usando a própria imaginação e objetos simples, mas também assistiam muita porcaria na televisão e não podiam escolher nem criar a própria programação. O bullying era legitimado nas escolas que não achavam nada demais na covardia praticada diariamente entre alunos.

Crianças não são anjos nem demônios. São seres humanos que precisam da ajuda de seres humanos mais velhos para aprenderem a se defender ao longo da vida.

Crianças não se tornarão indivíduos e não vivem no futuro. Elas já são indivíduos e vivem uma vida que deve ter significado no presente e não apenas nos projetos para daqui a tantos anos. Brincar, portanto, é muito importante. É o momento em que a criança vive o presente intensamente.

Ai que saudades eu sinto da almofada que se tornava um palácio, uma nave espacial, a casa das bonecas e que me hipnotizava por um tempo que eu nem calculava…

Feliz dia das Crianças!

crianças correndo