Mulheres do Século XX

foto na praia

Ontem assistimos a mais uma indicação de filme do Ludo, Mulheres do Século XX.

Por que eu recomendo esse filme?

Por diversos motivos:

  • Faz pensar no impacto do meio e da época em que nascemos e crescemos sobre a nossa visão de mundo nas décadas seguintes. Nessa história, temos as referências principais da mãe, nascida nos anos 1920, do filho nos anos 1960 e da jovem mulher que o influencia, nascida nos anos 1950. Como pano de fundo para o que acontece no cotidiano dos personagens principais, o filme pontua grandes mudanças, culturais, sociais, de padrão de consumo etc. que marcaram as referidas décadas do século XX.
  • Mostra a dificuldade de adaptação da mãe ao novo comportamento do filho adolescente (não apenas pelo conflito geracional), pelo estranhamento de não ser mais o centro da vida do rapaz e pelo desafio de educar um homem para ser uma boa pessoa e saber se relacionar com os outros.
  • Destaca o feminismo sob três perspectivas: da mulher que conquistava sua independência financeira, mas ainda era marginalizada por não ter um marido, da adolescente que se sentia livre sexualmente, mas não acreditava ser merecedora de afeto, nem conhecia seu próprio prazer e da jovem adulta que vivia cada movimento cultural intensamente e compartilhava seus pensamentos, inclusive sobre o movimento feminista, sem medo da rejeição social.

Além desses motivos, sou mãe de dois adolescentes que têm amigos e amigas e gosto de observar a influência delas na formação das identidades deles.

Boa semana!!!

*A imagem, alterada pelo aplicativo Prisma, foi tirada do livro Almanaque 1964 , de Ana Maria Bahiana.

Anúncios

Adolescência 1951

Before the date

Tem sido difícil parar diante do computador para escrever um post esses dias.

Continuo acompanhando os blogs que eu adoro, diariamente pelo celular, mas não consigo postar no telefone.

O título de hoje tem relação com um livro que andei lendo sobre a adolescência – “A crise da adolescência”- escrito em 1951 pelo professor Alceu Amoroso Lima; pelo padre Álvaro Negromonte; pelo médico Américo Piquet Carneiro; pelo monsenhor Helder Câmara e pelo médico Joubert Torres Barbosa.

Tirando alguns preconceitos e costumes, superados pelo tempo, os textos são claros, profundos e ajudam a entender meus adolescentes, Ludo e Vico.

Seguem alguns trechos que considerei mais interessantes, inclusive por serem atemporais!

São características da adolescência, entre outras:

  • Plasticidade: “Sem dúvida a infância é ainda mais plástica do que a adolescência, mas a infância é mais efêmera, é uma idade que passa. A adolescência é uma idade que fica. A infância só fica, por exceção nos poetas ou naquilo que em nós é poesia”.
  • Suficiência: “Não há idade mais dogmática. Quando temos 15 anos, falamos com tal suficiência da vida, que mais parece termos vivido um século… O adolescente afirma pelo amor de afirmar… nada mais difícil do que vencer um dogmatismo baseado no sentimento e não na razão”.
  • Puberdade: “Não há idade mais idealista no amor platônico, como não há idade mais materialista no amor físico”.
  • Idealismo:”A adolescência é a idade em que há maior apetite de ideal… é a idade do desprendimento ou do cinismo, é a idade em que se morre de modo mais fácil, é a idade dos heroísmos”.

cupido

Como lidar com os filhos adolescentes?

  • “Devemos fazer deles, o mais cedo possível, um ser humano de natureza livre, independente, responsável, autônomo, e não uma natureza imitada, uma natureza que é apenas a repetição do que julgamos ser o ideal, e que, às vezes, não o é”. 
  • “Por isso mesmo, é um dever, é uma necessidade, o saber distinguir, no problema da educação, o que é a liberdade justa, isto é, a afirmação da personalidade, o respeito àquilo que cada criatura tem em si, do que é libertinagem, a licenciosidade, o desregramento, ou seja a negação da liberdade por hipertrofia”.
  • “… a primeira condição dos pais é procurar conhecer os filhos… pois aquilo que serve para um, não serve para outro. Não há regra para isso”.

cheerleaders

Como lidar com sua própria adolescência?

  • “É assim a adolescência, muitas vezes um drama. Quem não o sentiu, conservará no curso da vida o mesmo aspecto pueril… Quem não o resolveu, conservará sempre a angústia secreta de um conflito em latência”.

Espero que este tenha sido um passeio agradável pelo tema adolescência para quem já passou pelas crises e para que as presencia de perto.

*As imagens são do artista Norman Rockwell modificadas pelo aplicativo Prisma.

Bom domingo!

 

 

 

 

 

Conselhos no Aniversário do Ludo

conselho

Quem tem filho adolescente ou se lembra dessa fase da vida sabe que nem sempre é fácil o convívio em casa.

Hoje o Ludo está fazendo 15 anos e está de castigo, infelizmente.

Fiz uma poesia pra ele em forma de conselhos que começam com negativas, que ele precisa ouvir e aceitar.

Amo muito meu filho e amar também é educar e passar por momentos difíceis, aconselhar, dar bronca, tirar a internet etc.

Só não pode haver violência física ou moral, sob hipótese alguma dentro da família!

Amor, respeito e limites são fundamentais e educar dá um trabalho danado!

Não É

Não é porque você está mais velho que pode sair quando quer

Não é por convencer um que você vai comandar o mundo inteiro

Não é pelo seu cansaço que a vida pode andar em marcha ré

Não é porque o gosto é ruim que pode praguejar o cozinheiro

Não é o fato dos outros serem foscos que lhe trará o próprio brilho

Não é o seu erro que dirá quem você é

Não é procurando os culpados que sua vida entrará nos trilhos

Não é o castigo ou a bronca que pesa, mas o que se constrói com amor e fé

Não é feliz aquele que consegue tudo

Não é por você ouvir Não que eu não Te Ame e não deseje Feliz Aniversário Ludo

Micos, Tempo e Cultura

MicoGorila e gatinho

MICO

Até o ano passado, o Vico me abraçava e beijava na frente dos colegas quando eu aparecia na escola. Este ano nem pensar. É o que eu chamava de mico, quando era adolescente.

O Ludo morre de vergonha de várias coisas que indiquem que ele ainda precisa dos adultos.

Eu era a princesa dos meus meninos e virei esse Orangotango com o gatinho no colo. Hahaha.

O ser humano, ao contrário da maioria dos animais, leva bastante tempo para se tornar independente. Além disso, assim como outros animais, se preocupa com a aparência e as conquistas pessoais para impressionar potenciais parceiros amorosos. Resultado: Micos e medos que só existem na mente do jovem.

TEMPO

A adolescência é a fase dos micos, que, com o passar dos anos, perdem o sentido e desaparecem das nossas vidas.

Hoje de manhã, na espera do dentista (estou com um canal doloridíssimo) assisti ao Programa da Fátima Bernardes e ouvi um psicólogo dizer que aos 65 anos estamos com a autoestima mais elevada do que jamais estivemos.

Por que isso acontece aos 65 anos? Porque a preocupação com a aparência, o status e outras características para atrair um par diminuem consideravelmente conforme ficamos mais velhos. Essa é uma das vantagens de envelhecer. Ainda faltam alguns anos pra mim, mas já me sinto muito mais livre do que quando eu era mais nova.

CULTURA

Nos primeiros anos da vida dos seres humanos, essas questões do nosso lugar na sociedade quase não existem. Indico o documentários Babies que retrata a vida de 4 pessoinhas fofas, do nascimento até começarem a andar: um na Mongólia, uma no Japão, um na Namíbia e uma nos Estados Unidos. As semelhanças no desenvolvimento das crianças contrastam com as diferenças culturais que as cercam.

Fico imaginando como estarão esses bebês hoje. A adolescência deve ser muito diferente nessas 4 culturas tão distintas.

Será que o Mico é resultado do contexto em que vivemos (ocidental, urbano, consumista, competitivo) ou é mais um componente da natureza humana que se manifesta de formas diferentes pelas diferentes culturas ao redor do planeta?

Os macaquinhos saíram desse livro, que os meninos ganharam há alguns anos.

O que aconteceu na Terra