São Paulo: do Playcenter aos Cosplays

Na sexta-feira à noite, estava assistindo ao jornal com meu marido quando passou a reportagem sobre a Anime & Friends, feira de animes, mangás, cosplays, bonecos etc que aconteceu no final de semana em São Paulo.

O Ludo e meu enteado não puderam ir dessa vez, mas o Vico, que já está de férias, sorriu de orelha a orelha e caiu na estrada com a gente sábado, bem cedinho.

dirigir na estrada

Quando eu tinha uns 5 anos, lá em 1983/1984, viajei com meus pais e minha avó de trem do Rio até São Paulo para o Playcenter e o Simba Safari. O trem e o Playcenter não existem mais, mas guardo bons momentos na memória, meio misturados com o que ouvi anos depois e com as fotos da viagem. Lembro que dormi no beliche no trem, comi uns morangos enormes que não existiam por aqui, brinquei numa cama elástica e trouxe um quadro colorido que eu fiz no parque.

Na minha infância quem se fantasiava eram as crianças e alguns adultos no Carnaval e os mais velhos só iam ao parque para levar as crianças para brincar.

No domingo, no Anime & Friends havia poucas crianças, a maioria das pessoas que tinha ido brincar e comprar bonecos, mangás e camisetas dos seus personagens preferidos era de jovens adultos. Muitos estavam fantasiados. Eu não critico. Até comprei uma camiseta da Mulher Maravilha e um chaveiro do Mestre Yoda pra mim.

luta de espadaspista de patins skatecosplay de costasCosplay de lado e sentada

O ciclo da vida completo, que o psicólogo Erik Erikson definiu em que a idade do brincar antecedia a idade escolar, a adolescência e a idade adulta jovem, ganhou novos arranjos na sociedade contemporânea.

Muitos jovens adultos brincam, assim como as crianças e os adolescentes, de jogos eletrônicos e cultuam personagens de suas histórias preferidas do cinema, dos quadrinhos, animes ou mangás. São considerados geeks. Não incluo os adultos mais velhos, nem os idosos na lista porque acho que a onda geek não alcançou esse público.

Bônus pra mim

Voltamos segunda de manhã, mas aproveitamos o passeio por São Paulo para visitar a Japan House na Avenida Paulista. Não achei a exposição grande coisa, mas adorei passear na Avenida Paulista à tarde (no sábado) e à noite (no domingo). Além de não ter a sensação de que podia ser assaltada, vi vários casais homoafetivos passeando de mãos dadas. Normalmente, um lugar que respeita a diversidade é mais pacífico também.

Jantamos no bairro da Liberdade no sábado. Recomendo o restaurante Rong He onde comemos guiozas deliciosas, que eles chamam de pão com carne no vapor. Outros pratos também são muito saborosos, mas este aqui é meu preferido.

gyosa

Na Liberdade dei de cara com essa loja de produtos de beleza chamada Ludovicus! Fizemos também umas comprinhas num mercado japonês entupido de gente. Foi divertido. Já estou com vontade de voltar!

loja ludovicus

 

 

 

 

Anúncios