Coma e emagreça com ficção científica

coma-e-emagreca

Estou em processo de emagrecimento por reeducação alimentar desde dezembro de 2016. Até agora perdi 4 kg. Também estou iniciando uma batalha de adoção de novos hábitos alimentares para o Ludo e o Vico.

Como tudo que se refere à comida provoca fortes emoções, principalmente quando somos cerceados de comer só o que gostamos na quantidade desejada, o avô dos meninos, meu pai, (que adora ler e comer bem), percebendo que não posso mais aceitar chocolates e pãezinhos deliciosos sempre que vamos visitá-lo, me presenteou com o livro “Coma e emagreça com ficção científica” para minimizar meu sofrimento.

O livro, organizado pelos mestres do gênero, Isaac Asimov, George R R Martin e Martin H Greenberg, é uma coletânea de 15 histórias que tratam o tema excesso de peso com humor, horror e tragédia em cenários futuristas ou universos paralelos.

As histórias que mais gostei foram “Fazenda de Gordos”, “Chanceler de Ferro”e “Gregory da Gladys”.

“Fazenda de Gordos”traduz bem o espírito de quem chuta o balde nas guloseimas para depois emagrecer e repete esse ciclo vicioso ao longo da vida.

O personagem é um homem vaidoso e hedonista, que paga para receber uma versão fitness de si mesmo, de tempos em tempos, para poder se sentir bem no convívio social. A questão é que toda vez que ele recebe a sua versão magra, precisa abandonar-se gordo em uma fazenda onde será escravizado.

“Chanceler de ferro” narra as dificuldades de uma família do futuro de se relacionar e mudar os hábitos alimentares para emagrecer.

Ao comprarem um robô programado para ser governanta, cozinheira, nutricionista e carrasco, acreditam que seus problemas estariam resolvidos. O mais interessante é que a dinâmica familiar muda com o emagrecimento de todos e eles se unem para enfrentar o robô.

Em “Gregory da Gladys” há uma crítica sobre a associação da comida engordativa com o afeto.

Trata-se de engordar o ser amado e deixar-se engordar por ele como prova de amor. A história traz, ainda, uma paródia com a convenção social que define se a gordura deve ser associada à beleza e status ou não.

O livro é da Editora Marco Zero e a edição que eu li, de 1984.