Quem convidamos para nossas vidas

Mad

Graças ao Netflix e às sugestões do Ludo, ontem e anteontem antes de dormir, eu e meu marido assistimos a dois filmes bem interessantes que me despertaram o mesmo sentimento de raiva em relação aos personagens centrais e à reflexão da importância do espaço que determinadas pessoas ocupam nas nossas vidas.

Os filmes foram:

500 Dias Com Ela

Um rapaz romântico e com muitas qualidades se encanta por uma garota que decide se envolver com ele, mas declara – logo no início – que não quer assumir um relacionamento. Só ele não percebe que sua musa não o admira e por isso o sofrimento será inevitável.

Por que alguém (homem ou mulher) insistiria em se relacionar com quem já declara de estalo que não quer um relacionamento?!

O melhor do filme, além da atuação do Joseph Gordon-Levitt, é a trilha sonora!

O Ludo acha que a menina não era malvada, só não gostava tanto do garoto; além do mais, não temos a versão dela da história.

Fome de Poder

Esse filme conta como a rede de fast food Mc Donald se expandiu a partir de um restaurante na California que revolucionou a forma como os americanos pedem a comida e a recebem imediatamente em pacotes para comerem sentados em qualquer lugar.

Esse restaurante na California foi idealizado por dois irmãos (os Mc Donald) que criaram um método para a cozinha funcionar numa velocidade superior a das outras lanchonetes da época. Eles também eram mais rigorosos no controle da qualidade do que serviam do que a maioria dos restaurantes do gênero,pelo que o filme dá a entender.

O azar desses irmãos foi conhecer o Sr Ray Kroc, um vendedor fracassado, metido a esperto, que conseguiu seduzir os Mc Donald a assinar um contrato de franquia no qual ele teria um percentual pequeno de participação nos lucros da futura rede.

O que seduziu os Mc Donald? A própria vaidade, nada mais. Eles não precisavam daquele sócio.

O Sr Kroc não apenas traiu os irmãos Mc Donald, roubando sua ideia revolucionária, ficando com todos os lucros e ampliando a rede como se fosse sua, como também sugou até a última gota de prosperidade dos irmãos.

Sinais

Antes de convidarmos um amor, um sócio, um amigo, seja quem for para nossa vida, assim como nos filmes, os sinais sempre aparecem.

É importante prestar atenção nos nossos sentidos e confiar no que ouvimos, vemos e sabemos mesmo que o desejo prefira que a realidade seja diferente…

Boa sexta feira e bom final de semana!

*A ilustração é de Don Martin, de um livro em quadrinhos da MAD, de 1962.